Verdades e Mitos

P: Ler demais faz mal aos olhos?

R: Ler nunca fez mal a ninguém. A “vista cansada”, chamada de presbiopia, é resultado do processo natural de envelhecimento e acontece, geralmente, após os 40 anos de idade. Com o tempo é natural que o cristalino vá perdendo a capacidade de focagem.

P: Ler ou ver TV no escuro é prejudicial?

R: A fraca iluminação cansa mais depressa os olhos, mas não deixa sequelas.

P: Uma criança quando olha para trás ou brinca a torcer os olhos pode ficar estrábica?

R: Não. Os músculos dos olhos das crianças são suficientemente fortes para lhes permitirem olhar na direcção que quiserem. O estrabismo, ou seja, o desvio da direcção dos olhos, geralmente, é um defeito congénito, a criança já nasce com ele.

P: Os olhos mais claros são mais sensíveis à luz?

R: A sensibilidade excessiva do olho à luz está relacionada com os pigmentos da retina e não da íris. A dilatação da pupila também influência na sensibilidade à luz, mas é igual em qualquer cor de olhos.

P: As cenouras fazem mesmo bem aos olhos?

R: O conselho tradicional de consumir cenouras em abundância para ver melhor no escuro tem algum fundamento. As cenouras contêm beta-caroteno, que é convertido em vitamina A pelo organismo. Na retina, uma forma particular de vitamina A constitui uma parte dos pigmentos visuais, que reconhece a luz; daí que um dos sintomas de deficiência em vitamina A seja a dificuldade em um indivíduo se adaptar a uma luz de baixa intensidade (cegueira nocturna). Aumentar o consumo de frutas e verduras, como os espinafres, brócolos e milho ou de suplementos alimentares que contenham estes nutrientes antioxidantes (beta-caroteno e luteína), podem melhorar a visão e a percepção da cor ao longo da vida.

P: Então devemos tomar complemento de Vitamina A?

R: A carência de vitamina A pode causar uma dificuldade de distinguir imagens em locais escuros. Mas esse quadro de carência só aparece em desnutrições graves. Uma pessoa ao comer frutas e verduras, já tem todo o suplemento de vitamina A que necessita. Tomar doses extras de vitamina pode até ser perigoso: quando consumida em excesso, ela tem efeitos tóxicos.

P: Ver TV muito perto prejudica a visão?

R: Ficar muito perto da TV, pode provocar cansaço visual por forçar a acomodação e a convergência, mas não traz prejuízo para a visão. O ideal seria ver TV a uma distância de 2 metros e sempre num local iluminado. Deficiências visuais como miopia, hipermetropia ou astigmatismo são causadas por uma formação irregular do globo ocular e não pelos hábitos. É verdade, porém, que ficar muito tempo a ver TV pode causar outros sintomas. Ficar com os olhos fixos num ecrã diminui a frequência dos pestanejos, que lubrificam o olho, favorecendo o olho seco e posterior comichão, olho vermelho, etc.

P: O computador estraga a nossa visão?

R: Não existe um estudo científico que comprove esse facto. A quantidade de radiação ultravioleta emitida pelo computador está muito abaixo daquela que pode vir a provocar catarata ou outras doenças oculares, mesmo quando expostos por um longo período de tempo. Mas se não tivermos cuidado podem surgir vários sintomas como dores cabeça, lacrimejo, visão desfocada. Recomenda-se 10 minutos de descanso por cada hora de trabalho no computador.

P: Filhos de míopes ou hipermétropes terão que usar óculos?

R: As deficiências visuais podem, de facto, fazer parte da herança genética de uma pessoa. Mas isso não quer dizer que a característica será passada directamente de pai para filho. Uma criança cujos pais tenham miopia, hipermetropia, astigmatismo ou estrabismo podem nascer sem qualquer erro refractivo.

P: Ler dentro de veículos em movimento causa descolamento de retina?

R: Ler em movimento pode causar tontura ou náusea, mas ainda não se sabe se é capaz de afectar a retina. O descolamento de retina é, geralmente, provocado por uma ocorrência traumática, como uma bolada no rosto. As pessoas que têm uma alta graduação de miopia estão mais sujeitas a sofrerem desse problema. O caso requer tratamento cirúrgico.

P: Os olhos podem ser transplantados para outra pessoa?

R: Não, somente a córnea pode ser transplantada para outro indivíduo, por vezes é também utilizada a esclera. É um transplante feito quando a córnea perde a transparência. Infelizmente não resulta em casos de cegueira.

P: Quem usa óculos não pode doar a córnea?

R: Miopia, hipermetropia, ou astigmatismo não são, de forma alguma, contra-indicações para doação. Na hora do transplante, o cirurgião pode fazer as correcções que forem necessárias.

P: Lentes de contacto estacionam a miopia?

R: Não. O que ocorre, na realidade, é que a época em que se costuma prescrever as lentes geralmente coincide com a idade em que a miopia estaciona naturalmente, após os 20 anos.

P: A diabetes pode causar cegueira?

R: A diabetes pode cegar devido a alterações no fundo ocular. Deste modo é muito importante uma vigilância apertada e um acompanhamento contínuo do seu oftalmologista. O controlo da doença é o mais importante.

P: Quais os cuidados que um diabético deve ter com a visão?

R: Os diabetes são a maior causa de cegueira no mundo, em pessoas adultas, que não tinham problemas visuais. Todo o paciente portador de diabetes deve ter acompanhamento oftalmológico. Dependendo do estágio da doença, deverá ser feito um tratamento com laser. Se a doença evoluir pode acarretar turvação total da visão por hemorragia que poderá ser reversível ou não. Numa fase mais tardia poderá levar ao deslocamento total da retina, cujo prognóstico, mesmo após cirurgia, é ruim.

P: O Daltonismo tem cura?

R: O daltonismo é uma doença hereditária que não tem cura, sendo raríssima em mulheres. Traz ao indivíduo a incapacidade de distinguir determinadas cores. Esta perturbação é causada por ausência ou menor número de alguns tipos de cones (células da retina) ou por uma perda de função parcial ou total destes, normalmente associada à diminuição de pigmento nos fotoreceptores que deixam de ser capazes de processar diferencialmente a informação luminosa de cor.

P: Uma Criança que brinque de “trocar” os olhos pode ficar “vesga”?

R: As deficiências visuais podem, de facto, fazer parte da herança genética de uma pessoa. Mas isso não quer dizer que a característica será passada directamente de pai para filho. Uma criança cujos pais tenham miopia, hipermetropia, astigmatismo ou estrabismo pode nascer com os olhos normais.

P: Já que não existe imagens para o cego, será que ele sonha?

R: O deficiente visual é uma pessoa com todas as condições e suporte para a vida normal, apenas sem o uso da visão. O seu funcionamento cerebral desde que não tenha outro constrangimento, é perfeito e inclusive o inconsciente e a vida onírica. Os sonhos ocorrem naturalmente e segundo muitos relatos têm a sensação de ver durante o sonho.

P: Quem lê demais fica com a vista cansada?

R: Ler nunca fez mal a ninguém. A vista cansada, chamada tecnicamente de presbiopia, é resultado do processo natural de envelhecimento. Com o tempo, o cristalino vai perdendo a capacidade de foco. E isso independente da exigência feita aos olhos.

P: Quem necessita óculos e não os usa piora a sua visão?

R: As pessoas usam lentes e óculos por uma questão de conforto visual, mas infelizmente estes recursos não curam a deficiência. Assim, forçar a vista sem os óculos pode ocasionar dores de cabeça ou tonturas, mas não significa que a visão seja danificada. O grau da deficiência não vai aumentar por causa disso.

P: Em que idade deve ser feito o primeiro exame de vista? 

R: Os bebés prematuros devem ser sempre examinados pelo risco de apresentarem Retinopatia da Prematuridade ou uma infecção congénita. Quando a criança apresenta estrabismo, a pupila branca, ou alterações no formato ou coloração dos olhos, também devem se examinados para avaliação. Se não apresentarem nenhuma dessas condições, a indicação é de que sejam examinadas na fase pré-escolar, entre 4 e 5 anos.

P: O que é exame de fundo de olho e em quais circunstâncias ele deve ser feito?

R: É o exame em que se visualiza a retina, os vasos sanguíneos e o nervo óptico, através da pupila. É importante nos pacientes que apresentem doenças sistémicas (hipertensão Arterial, Diabetes, Doenças Reumáticas), que usem algumas medicações (cloroquina, etc.), e para pesquisa de possíveis causas de diminuição visual. Por ser um exame muito importante deve ser feito em todas as consultas oftalmológicas.

P: O que é catarata e em qual idade ela aparece nas pessoas?

R: A catarata é o escurecimento de uma lente que possuímos dentro do olho que como tal deve ser transparente para permitir a passagem das imagens. Ao longo da vida é natural que esta lente vá perdendo a transparência e por isso é comum que tenha indicação cirúrgica em idade mais avançada. Algumas pessoas, no entanto,  podem apresentar a catarata mais jovens e dependendo do caso, mesmo uma criança pode nascer com o problema. Nesses casos pode ser indicada a realização de uma cirurgia que deve ser avaliada criteriosamente por um oftalmologista.

P: A operação da catarata é uma operação fácil?

R: Há alguns anos, a cirurgia de catarata exigia que o paciente ficasse em repouso absoluto e permanecesse por 5 dias com os dois olhos cobertos por compressas. Hoje em dia, a cirurgia exige mais treino do cirurgião e a utilização de equipamentos especializados, o que permite que na maioria das vezes o paciente possa ir para casa algumas horas após a cirurgia. Apesar de ainda não ser um procedimento banal, como tentam sugerir algumas propagandas, sem dúvida ficou muito mais confortável para o paciente.

P: É verdade que atrasando a utilização dos óculos, não se precisaria deles?

R: Não é bem assim. Geralmente, isto está associado à vista cansada, que é um fenómeno normal. Todos nós, após os 40 anos, ficamos com a visão dissociada, de longe e de perto, não conseguindo fazer a fixação das imagens em diferentes distâncias e necessitando afastarmos cada vez mais os objectos para ler. Isso é especialmente notável nas pessoas que não usavam óculos. Mas o fato de começar mais cedo a usar óculos, ou não, não irá interferir na evolução deste quadro, da mesma forma que não interfere se a pessoa estudava muito ou costurava, por exemplo. O que acontece é que ao redor dos 40 anos em que factores psicológicos e fisiológicos começam a impor algumas limitações e adiar continuamente o uso dos óculos não traz vantagem nenhuma. Pelo contrário, trará mais desconforto na leitura e em outras actividades. A evolução dos problemas de visão dependerá das características genéticas de cada um.

P: As pessoas que passam horas na frente de um vídeo de televisão, ou mesmo no computador, ou que ficam muito tempo expostas ao sol, podem enfrentar algum problema?

R: Não há nenhum estudo que prove que a emissão de raios catódicos do ecrã do computador ou da televisão faça mal aos olhos. Há algum tempo, havia óculos de protecção para o vídeo, cores amareladas para as telas e óculos com cores específicas, mas não há nada que comprove que isso possa interferir.

P: Com que frequência devemos ir ao oftalmologista?

R: A partir da fase pré-escolar deve-se ir uma vez a cada ano e meio. No entanto, as pessoas com história familiar de glaucoma, os pacientes de diabetes, pessoas que fazem uso constante de cortisona ou outros medicamentos, devem ser aconselhados a fazerem uma avaliação periódica em menores espaços de tempo. As pessoas com miopia acima de 3 graus, por sua vez, devem visitar o oftalmologista a cada seis meses para fazer exame de retina.

P: Que cuidados ter com os seus óculos:

R: Mantenha as suas lentes e a armação limpas. É recomendável que você mantenha suas lentes regularmente limpas, utilizando tecido especial para a limpeza de lentes.

Lave as suas lentes. Você deve lavar as suas lentes primeiro molhando-as e depois lavando-as com sabão neutro (sem hidratante). Lave-as, depois, em água corrente. Limpe com cuidado, com tecido especial para limpeza de lentes ou lenço de papel macio e limpo.

Humedeça sempre suas lentes ao limpá-las. Isto ajuda a prevenir arranhões na superfície da lente causados por impurezas.

Deixe seus óculos sempre com as lentes voltadas para cima Desta forma evita contacto directo das lentes com objectos que podem causar danos às lentes. Evite deixar os seus óculos caírem de modo a que as lentes e a armação não se danifiquem.

Mantenha seus óculos no estojo Isto protege-os de partículas de poeira e da possibilidade de se partirem ou lascarem se algo cair sobre eles. Para retirá-los do estojo, abra-o completamente e os retire com cuidado, segurando pelo centro da armação.

Retire os seus óculos do rosto segurando firmemente em ambas as hastes. O ajuste e forma da armação mantêm-se por mais tempo.
Evite deixar suas lentes exposta ao calor. As lentes oftálmicas são compostas de camadas que sofrem danos quando exposta ao calor, principalmente aquelas com tratamento anti-reflexo. Portanto, evite deixar as lentes dentro do porta-luvas do carro ou muito próximas a microondas; secadores e spray para fixação de cabelos (lacas), por exemplo.

Com Lentes fotossensíveis, deixe que as lentes fiquem totalmente claras antes de as guardar Isto assegura sua claridade na próxima vez que você as utilizar.

A Armação precisa de ajuste? Se seus óculos precisarem de pequeno ajuste, procure seu especialista. Assim evita acidentes e o ajuste será necessário. Duas vezes por ano leve os seus óculos ao seu especialista para que ele os limpe. Depois de um banho com ultra-som durante 5 a 10 minutos suas lentes ficarão como novas.